Deus nos Acuda

 O ano era 1992, o Brasil se encontrava em meio a um turbilhão de escândalos de corrupção da presidência da república, além de enfrentar a recessão e uma moeda desvalorizada. A história se aproxima do real, mas é apenas o enredo de uma novela Global, “Deus nos Acuda”, escrita por Silvio de Abreu e dirigida por Jorge Fernando. A abertura da novela, idealizada por Hans Donner, mostrava o Brasil sendo invadido pela lama, fazendo alusão ao momento político que o país vivia fora da ficção. Para os que não se lembram ou não eram nascidos, o primeiro presidente eleito pelo voto direto, após mais de duas décadas de ditadura militar, Fernando Collor, havia perdido o cargo e os direitos políticos devido a graves denúncias de corrupção.

Depois das últimas manifestações da esquerda e da direita, a abertura de “Deus nos Acuda” ressurgiu na minha cabeça e decidi resgatá-la e postar aqui no blog, porque é incrível perceber o quanto as coisas se repetem e como é atual o enredo dessa novela. Nos últimos dias tenho lido e assistido muita coisa a respeito da política do nosso país e confesso que desejei ter uma “anja” Celestina (personagem vivida por Dercy Gonçalves) lutando por nossa causa, porque, honestamente, só um milagre salva a política no Brasil (e olhe lá!).

Sou Apartidária, menos coxinha do que muitos que SE denominam “de esquerda”, há anos evito comparecer às urnas, acho a Dilma incompetente, o Aécio cínico, a Marina imatura para a política, a Luciana Genro uma sem noção e os demais candidatos não valeriam a minha busca por características. Eu não acredito em política desde os meus 18 anos, na ocasião militei por um candidato à prefeito, que depois de perder uma campanha agressiva, ocupou uma secretaria do governo rival, além de mais tarde ter ido fazer parte do partido para o qual ele fazia oposição. Nunca entendi como funciona a cabeça dos políticos e o porquê de ser tão simples se corromper quando se tem um cargo público. Lembro que na minha época de militância conheci muitas vilas e nelas pessoas que estavam abaixo da linha da pobreza, pessoas desacreditadas, que não queriam ouvir propostas, queriam trocar seus votos; Então, eu passava horas tentando mostrar a elas que esse não era o melhor caminho, que para as coisas mudarem elas precisavam mudar, precisavam acreditar na força do voto, eu acreditava. Chorei quando meu candidato perdeu, porque eu sonhava em ver ele realizar algo de bom para aquelas pessoas, mal sabia eu que elas tinham razão, que não faria diferença, que “eram MESMO todos farinha do mesmo saco”.

Eu não acredito em Petralha, eu não acredito em Coxinha, não acredito na extrema esquerda, porque eu NÃO ACREDITO em partido, e fico horrorizada em ver as pessoas defendendo bandeiras que não a do Brasil, abraçando as causas desses que são o câncer de nosso sistema político. Mas, eu NÃO admito ouvir um brasileiro falando em intervenção militar, e tento levar na brincadeira quando ouço esse tipo de absurdo. Convenhamos, a gente já não acredita em mais nada relacionado à política nesse país, porque a política FALIU, GAME OVER. A única coisa que continua sólida aqui é a DEMOCRACIA, que passou por um impeachment, duas reeleições e agora passa por esse processo de redemocratização do povo. Mas o povo PRECISA estudar, se informar a respeito da Constituição antes de sair gritando pelas ruas, o povo tem o dever de protestar nesse momento, não por impeachment, por um candidato derrotado ou por militarismo, o povo precisa EXIGIR a REFORMA POLÍTICA, porque é só ela que tem o poder de mudar o Brasil e me fazer votar outra vez.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s